Portugueses ainda preferem trabalhar a tempo inteiro

O estudo “Flexible Working: a career and lifestyle pathway”, conduzido pelo grupo Adecco e pelo LinkedIn, conclui que, ao contrário da tendência verificada a nível mundial, Portugal (54%), Itália (54%) e Espanha (42%) são os países onde existe maior resistência face ao trabalho flexível.

 

A pesquisa, realizada este ano, contou com respostas de mais de 100 mil empresas em 38 países a nível mundial, revela que mais de metade dos portugueses, tendo de optar, prefere um trabalho a tempo inteiro.

A tendência para profissionais qualificados rejeitarem trabalhos com os horários habituais está a crescer no mundo, ao mesmo tempo que o fenómeno da gig economy ganha mais adeptos, por verificar-se uma alternativa mais vantajosa. Para 54% do total dos inquiridos, eleger um trabalho flexível traduz-se na escolha de um estilo de vida e carreira.

Segundo Carla Rebelo, directora-geral da Adecco Portugal, «o trabalho flexível é uma tendência em grande crescimento em vários países e poderá ser uma realidade em Portugal, num futuro próximo, apesar de ainda não ser muito expressiva. Este estudo revela dados importantes, pois conseguimos aceder a conclusões que nos permitem criar meios e desenvolver soluções que possibilitem condições semelhantes para quem tem um trabalho flexível e a tempo inteiro, especialmente no que diz respeito a benefícios sociais, férias, pensões e seguros», defende.

Esta pesquisa vem também revelar e destacar o facto de estarmos a entrar numa nova era económica, onde o trabalho flexível se está a tornar uma parte atractiva do status quo do indivíduo. «Este poderá ser o caminho para muitos jovens que procurem trabalhos independentes, que lhes proporcionem maior liberdade e autonomia», acrescenta a responsável.

Outras tendências reveladas pelos dados é que 73% dos trabalhadores flexíveis que possuem perfil no LinkedIn têm qualificações superiores, 54% optaram por um trabalho flexível para atender às necessidades e objectivos pessoais e 36% devido à dificuldade em conseguir um trabalho a tempo inteiro. Ao mesmo tempo, apenas 36% considera este factor como algo negativo para a carreira, 82% dos inquiridos com trabalho flexível têm entre 18 e 26 anos e já desejavam ser empregados independentes, e 89% já encara esta forma de trabalhar como algo a longo prazo.

Sabendo da importância do trabalho flexível, o Grupo Adecco em conjunto com a Microsoft desenvolveu recentemente o YOSS – uma feira digital pioneira, que tem como objectivo colocar em contacto freelancers e grandes empresas. Esta permite a freelancers o acesso às maiores empresas do mundo, pagamento garantido no prazo de 72 horas, inscrição para benefícios sociais, entre outros.

Veja também estas notícias

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.