O espírito necessário para a reinvenção do trabalho

A CH Consulting e a Multidados promoveram aquele que, garantem, é o maior estudo sobre millennials jamais feito em Portugal. Algumas conclusões são surpreendentes, nomeadamente em relação à literacia tecnológica, e desfazem alguns mitos.

Por Ana Leonor Martins

 

Tendo constatado que, «em Portugal, estava por realizar um estudo de base ampla, cientificamente válido e com uma matriz estatística de amostra que fornecesse elementos concretos e objectivos para interpretar e caracterizar a Geração Millenium – distribuição geográfica, etária e sócio económica -, a CH e a Multidados realizaram um estudo com um grau de profundidade até hoje nunca verificado – 5 mil entrevistas com mais de 400 mil opiniões sobre 78 questões específicas – que compara as similitudes e as diferenças entre os millennials portugueses e os de quatro outros países da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico], com os quais Portugal habitualmente se gosta de comparar: Espanha – o grande vizinho do lado -, França – a nossa referência cultural e política dos últimos dois séculos -, Inglaterra – o nosso mais velho aliado -, e os Estados Unidos, o benchmark do mundo ocidental». A contextualização é feita por Carlos Lacerda, coordenador do estudo “All About Geração Millennium” e director de Negócios Internacionais do Grupo CH, destacando que é um trabalho inédito.

O responsável acredita que os dados recolhidos neste estudo «são de primordial importância para os empresários e para os gestores que estão preocupados com o futuro e com a estratégia, performance e sustentabilidade das suas empresas. Mas são também de primordial importância para os políticos e outros decisores institucionais, que tomam decisões sobre a sociedade, o bem público ou os pilares sociais – a igreja, o legislador, a comunicação social, os head hunters, a banca, os marketeers, os planificadores. Tem muitos campos de respostas e análises de comportamento que são transversais a toda a sociedade», realça.

Ressalvando que o estudo é bastante extenso, e que a comparação entre os cinco países em análise se faz de forma segmentada em cada uma das 78 perguntas, como impressão geral, Carlos Lacerda reforça três ideias: «uma delas é a de que existe alguma diversidade, sem fracturas, dentro de um padrão de comportamento globalizado. A outra, é a de que há muitas ideias e afirmações comummente feitas sobre os millennials que são apenas mitos. E a terceira é a de que, apesar de tudo, a individualidade e a componente humana, numa geração que se julgava individualista e tecnológica, prevalece sobre o acessório e, simultaneamente, lhe é transversal: os millennials são positivos, inteligentes, têm da vida uma visão interessante, são mais livres, menos apegados a convenções, são mais educados – no sentido literal da educação formal – e muito mais positivos e optimistas do que as gerações predecessoras.»

 

Campo de análise: Trabalho

Em termos de trabalho, registam-se alguns dados interessantes. O estudo revela que os estágios não remunerados ainda são uma prática, não só em Portugal mas em todos os países analisados, com percentagens entre os 40 e 50% (excepção feita à França), apesar de esta ser a geração mais qualificada de sempre.

Conheça os principais resultados deste estudo na edição de Dezembro da Human Resources Portugal.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.